Notícias

29/11/2016 10:21 g1.globo.com

'Pescar', puxar e empurrar: os planos dos cientistas para 'recolher' o lixo espacial

Desde o início da exploração espacial nos anos de 1950, toneladas de lixo espacial estão se acumulando na órbita da Terra.

Para resolver o problema, cientistas planejam enviar ao espaço no ano que vem uma nave criada para testar maneiras de se livrar desses detritos.

Pesquisadores da Universidade de Southampton, no Reino Unido, monitoram o lixo espacial na órbita terrestre. Eles estimam que haja cerca de 22 mil pedaços com tamanho superior a 10 centímetros.

Detritos menores, porém, chegam à casa dos milhões.

O lixo espacial é formado em geral por partes e componentes de satélites, foguetes e naves descartados durante missões espaciais.

A nave que será colocada em órbita no ano que vem testará maneiras de limpar esse lixo. Ela vai usar uma rede e um arpão para capturar esses destroços.

Vai usar ainda uma vela para tentar forçar grandes destroços a entrar na atmosfera - onde são destruídos pela alta temperatura de reentrada.

Mas haverá outras dificuldades a superar - a principal delas deve ser o financiamento dessas missões.

Cientistas estimam que custará milhões para retirar um único detrito.

Além disso, eles não podem, por questões legais, capturar lixo espacial aleatoriamente - para recolher um satélite obsoleto, por exemplo, é preciso que o país responsável por ele concorde com isso.

Mas os pesquisadores alertam que, se nada for feito em relação ao problema, será impossível manter satélites ou operar no espaço no futuro.


versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo